Contações

Entre panos de prato e canecas fumegantes
O abrir e fechar de pestanas.
Um vai e vem de pernas, um farfalhar de saias,
Coisas cinzas e azuis, contadoras de histórias.

Entre meus tempos e meus lenços,
Um breve assobio... calmo, invernoso...
Cheio de canções que anunciam
A alvorada.

Entre os dedos das mãos e os anéis
Há sonhos alaranjados.
Quimeras que dançam embriagadas,
Feitas e desfeitas, não vividas ou replantadas.

Há no silêncio dos meus lábios um quê de ausência
Que me atormenta, balança, não descansa.
Um hálito gélido de um tempo que aguarda, espera,
Adia.

Postagens mais visitadas