Páginas

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Despedida

Não há braços que me devolvam
A grande felicidade de ter os teus olhos a me olhar.
Nem a calma dos teus abraços,
Muito menos a alegria das tuas gargalhadas.

Não há dia nem noite que apague o vazio
Deixado em meus lençóis,
Hoje frios e secos.

O luar já não me devolve você,
Nem desperta meus desejos e sussuros.
A noite hoje me faz gemer, soluçar
De saudades de você!