Páginas

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Sapiência

Não sei fazer nada diferente.
O mundo também é repetitivo...

Tudo vai e volta, noite e dia.

O rosnar dos cães interiores silenciaram,
O alforge esvaziou,
O pedal quebrou e a vida que passava pelas duas
Rodas-Olhos,
Foi ficando para trás.

Como paisagem impressionista.

É, eu não sei fazer,
Nem ser diferente,
A - Final -

Tudo é sempre tão igual.