terça-feira, 12 de setembro de 2017

Intensidade

Maravilhoso texto de, Débora Izzy, para quem sabe muito bem, como eu, o que é viver a vida em plenitude e intensamente:

- A minha vida inteira eu sempre fui intensa em tudo. Relacionamentos entre amigos, namorado. Ser intensa já me custou noites em claro, acordando de madrugada enquanto a cabeça não parava. Porém, ser intensa já me proporcionou o outro lado da moeda, momentos incríveis e com pessoas que naquele momento também eram incríveis.


Ser intensa é ir atrás do que quer, não importando as circunstâncias. Ser intensa é dar a cara pra bater não importando a dor. O problema é que quase ninguém está preparado para nós, os intensos. A gente quer pra ontem e embarcamos nos mais profundo dos sentimentos. Amamos com a alma, colorimos o cinza e trazemos um mar de agitação para a vida das pessoas.


Se a gente quer, a gente tenta. Vamos atrás, escrevemos textões românticos feito para a pessoa amada, falamos verdades em cima de verdades, demonstramos qualquer mínimo de sentimento. Não espera menos de uma pessoa intensa, porque não vai ter. Somos profundos.


Porém, a gente parece sofrer o dobro. É porque não amamos pela metade, amamos por inteiro. E quem hoje em dia ama assim, né? Só que ser intenso é também ter força pra levantar de uma queda e viver tudo de novo. Incrível a força que nos rege. Temos esperança no amor e acreditamos nele.

Sabemos que se não der certo hoje, amanhã vai dar.


A gente se doa, sofremos, levantamos e vivemos de novo.


Ser intensa é problema? Depende. Eu prefiro viver com a certeza que tenho capacidade de amar, do que viver sendo apática aos sentimentos mais lindos e profundos.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A - gosto

Dos cachorros loucos ou do desgosto. Eis que finda agosto.

Uma nova primavera se anuncia, é setembro e isso em nada me alivia.

O peito derrama lágrimas de um passado, que me atormenta, me desorienta.

A primavera vem chegando, e nomeou corpo se sente, se ressente. 

E eu, que amo as flores, me perco na primavera, porque sou nascida no inverno. Minha certidão anuncia o frio, o inferno, o vazio.

A primavera se anuncia e minha Alma renuncia. Eu amo flores, mas meu corpo, morto, não deseja essa alegria. Essa epifania.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Plágio

Eis que me vi entre as mais altas ondas,
Talvez, se eu tivesse aprendido a nadar,
Eu conseguisse me salvar.

Me deixei levar pelas águas revoltas,
Boiando em meio aos desespero, segurei-me nas mãos do meu Deus,
As ondas se acalmaram lentamente,
E também acalmou-se o meu coração.

Ao fim da tempestade, em meio aos escombros
Surgiu um novo Eu.
Colecionando sorrisos, desejos e atrevimentos.
Desfilando pela vida e esbanjando alegrias esperançosas.

Despi-me dos olhares de reprovação e me vesti de liberdade.
Dancei, linda, sobre o tablado montado por quem não ousa ser dono de si.
Entendi que a vida é apenas um grande clichê e 
Toda a gente só sabe viver de plágio,

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Vazios

Teu silêncio sulca meu rosto, 

Tua frieza congela a minha alm, desgasta meu sorriso e cansa os meus olhos.

Tua secura resseca minha pele, Fadiga meus olhos e corta meus lábios.

Sem você a minha alegria fica despedaçada, meus sonhos se tornam pesadelos e Minha voz fica muda.

Tua ausência muda minha rota, estraga meus caminhos, queima minhas flores e 

Desertifica minha geografia.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Ponteiros

No relógio da parede, as horas não passam. 

A noite fica cada vez mais longa e escura.

Sôfregos, meus pensamentos viajam em busca dos seus olhos castanhos calmos.

Os minutos sem seus braços à minha volta se transformam em décadas de solidão.

Os ponteiros indicam o tempo exato da dor que me causa a tua ausência.

Cada segundo sem o calor do seu corpo congela a minha Alma.

O tic tac do relógio avisa que a saudade estará maior pela manhã. 

O sono não vem.

A alvorada logo vai despontar e o vazio dentro de mim se expande...

Rogo ao senhor do tempo para que as horas tragam um novo conto.

Imploro para que os minutos passem depressa!

E eu te encontre antes que a areia da ampulheta da vida termine de cair.

terça-feira, 20 de junho de 2017

algumas notas

Eis que o destino finalmente nos trouxe aqui.

Somos dois, somos um. Somos cada um.

Atados em laços sem nós e laçados em nós.

Caminhamos juntos, sem falar, sem orar,

Apenas nos colocamos lado a lado, sem olhar,

Sem esperar. Aguentando o tempo passar.

Eu tinha necessidade de ir,

Você veio.

Eu preciso de movimento,

Você de calmaria.

Eu tenho urgência de viver,

Você consegue esperar.

Eu não consigo engolir a dor,

Quando você finge que não a sente.

Eu gosto de céu azul,

Você busca a sombra.

Eu sou o giro,

Você é o sol...

A viagem mais recente

Intensidade