Páginas

terça-feira, 18 de abril de 2017

Valorize-se!

quinta-feira, 23 de março de 2017

É...

As luzes continuam acesas, 
As mentiras sobre a mesa,
As certezas conservadas na geladeira,
E as dúvidas requentadas na cafeteira.

Os pés sujam os tapetes que escondem segredos.
Os recados ficaram largados sob a janela aberta,
A chuva tentou apagar a mensagem,
Mas as palavras rabiscadas são resistentes
E continuam narrando a realidade.

Os olhos procuram não ver,
Que os lindos caminhos estão rodeados de inverdades.
O que passou ficou registrado.
A memória finge esquecer
O que o coração sempre irá se lembrar.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Fim

Dos nossos segredos surgiram os degredos.

Das nossas palavras, antes tão alegres,
Nasceram silêncios infindáveis.

Dos olhos felizes pelo retorno,
Despontaram tristes paisagens.

Das luzes quentes fizeram-se as trevas.
Duras e impávidas.

Do dedilhar macio irrompeu o toque áspero.
Da amena temperatura surgiu um clima gélido.

Das curvas amenas emergiram grandes
E profundos abismos.

Do meu Eu tão sorridente brotou um ser amedrontado,
Duro, seco, sombrio e sôfrego.

Do mar de esperanças lindas e verdes
Sobreveio um deserto solitário e escaldante.

Da nossa existência colorida nasceu o
Monstro dos dias cinzentos e sem sol.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Me

Sempre achei que as pessoas não podem e não devem ser perfeitas. Perfeição é mentira. É bobagem. Por isso gosto de quem é original, que não mente, não engana e que mostra seus defeitos. Gosto de pessoas que riem dos seus defeitos. Elas sim são interessantes.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Questão

Para refletir!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Passado

Dia desses meu pensamento viajou pelo passado.
Não sou dessas pessoas que se arrependem, que reveem ou fazem promessas de transformações.
Sou do tipo que quando acerta, aprende. Mas quando erra, reconhece e procura não repetir o mesmo caminho ou a mesma ação.

Passeando por alguns recônditos distantes percebi que muitas das pessoas que eu considerava e até gostava, ficaram para atrás. A maior parte das vezes, não por minha culpa, sim por vontade delas.
Eu até senti saudades de certos seres que um dia conheci. Mas nesta viagem, percebi que não mais as conheço e, pior, talvez nunca as tenha realmente conhecido.

Não sou do tipo que racionaliza seu modo de viver. Não vivo protelando em falar sobre uma impressão nem calculando passos.
Sou um ser com o coração ao pé da boca e muitas, muitas vezes precisei pedir desculpas pelas mágoas que causei sem necessidades.
Sem problemas! Não tenho vergonha de pedir perdão. Nem de voltar atrás de uma decisão afobada, muito menos de apagar memórias.

Revisando alguns rincões do meu passado concluí que a maior parte das pessoas e coisas que deixei para trás, mereceram ser deixadas. Muitas não acompanharam meus passos, nem cresceram os anos que envelheci.
Percebi que pessoas são como livros, uma vez lidas, se não gostarmos da história, de nada adiantará relê-las no futuro. A essência continuará igual, mesmo se tentarmos olhar por outro ângulo ou interpretar de maneira diferente.

Outro dia, minha percepção sobre o mundo mudou.
Se eu já sabia que águas passadas não voltam aos rios, agora tenho absoluta certeza.
Se eu já achava que não existem amizades verdadeiras, que singram a vida através dos mares de problemas que todos enfrentam, passei a crer que não existe mais nada além de interesses passageiros.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Caso

Sem querer cruzaram os seus olhares.
Ela o amou,
Ele a quis.

Transformaram o desejo em realidade,
Viveram dias e noites neles e para eles.
Ela era impulso,
Ele, racionalidade.

Os dois eram pura música juntos.
Ela era o verso,
Ele, o som controverso.

Um dia, tudo mudou.
As tardes, antes alegres, ficaram cinzas.
O canto silenciou.

Ela virou o acaso para ele,
E ele se tornou o ocaso para ela.