Páginas

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Pra sempre

Tenho asas, mas não sei mais voar.
Tenho pernas e não sei mais caminhar.
Não sei falar, nem profetizar.
Sei apenas ouvir este coração cansado, de batidas lentas e dias contados.

Já não me movo com tanta graça,
Pouso no silêncio de horas perdidas,
Com sonhos esfacelados
E planos inacabados.

As lágrimas já não correm nem escorrem,
Os olhos guardam tristezas profundas,
A alma perde o calor que resta
Neste corpo miserável.

Minhas letras tortas escrevem
Trechos de vida.
Versos mal-feitos e partidos.
Linha após linha o meu canto choroso se despede sem acreditar no "pra sempre"...