Páginas

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Entrelinhas

No silêncio das noites,
O infinito dos teus olhos dentro dos meus,
Será a alegria dos sonhos bem sonhados.
Sua respiração a música da madrugada e a presença do teu corpo, o perfeito despertar.

A chuva revela uma paixão
Escondida entre linhas e ao longo do tempo.
Essa chuva fina
Esfria minha alma que clama baixinho
Por tua presença.

Teu semblante calmo, teus olhos vivos,
O som da tua voz,
Teu perfume, 
Tudo é lembrança boa.

Nos dias mal humorados
Nas tardes sem tua boca,
No poema não escrito,
No silêncio das entrelinhas.

Todas as coisas me contam um segredo: eu...

...Sou toda você.