Páginas

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Profundeza

Tudo o que não posso dividir contigo, me fere. 
Tudo o que lembra você, me arranca um dolorido suspiro.
As coisas que remetem à tua distância, me causam uma dor aguda.
Tornando a tua ausência insuportavelmente presente.

Me diga:
o que eu faço num mundo, que 
nem sequer é mundo, quando não vejo teu sorriso?
É apenas um abismo que me puxa para o escuro. 
E o fundo, que nunca chega, me assusta, pois sei que no instante da queda você não estará lá para me aparar.