sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Viena de luzes e sabores

Cheguei em Viena, na Áustria, após 18h de viagem. O voo da Air France desceu em Paris e de lá segui em um pequeno avião da Austrian Airlines. Foram voos tranquilos, mas como eu nunca consigo dormir em aviões, fico meio passada após tanto tempo.
Do aeroporto fomos para o hotel Meininger. O táxi havia sido contratado quando ainda estava no Brasil. Com o wifi grátis do aeroporto (ainda bem), o contato com o taxista, um sérvio que morava na cidade havia dois anos. Em vinte minutos estávamos na porta do hotel. O recepcionista, Francesco, era um italiano que ama o Brasil e nossas músicas. Muito simpático e fala um portunhol bem legal. 
O hotel era um porcaria, mas o chuveiro era maravilhoso - o que valeu a pena.


 



Nada de perder tempo. A estadia na capital austríaca seria curta, portanto, pés na rua! 
Eu gosto muito de andar a pé. Me dá mais chance de conhecer as cidades, olhar as pessoas, vitrines e ruas. Fora que dá para admirar melhor os detalhes dos prédios e arquiteturas diferentes.
Eram mais de oito horas da noite e o dia estava bem claro. Gosto muito de viajar para a Europa nos meses de junho a outubro. Além de anoitecer mais tarde, ainda há o horário de verão para nos deixar aproveitar melhor as noites claras do verão.


Depois de dar uma volta pelo centro, escolhemos um restaurante inaugurado há pouco tempo. Uns cem anos. rsrs


O jantar foi no Filgmuller. Provamos um vinho austríaco, nada demais, mas tudo bem. A comida sim, um prato maravilhoso de bife empanado (Schnitzel), a salada verde e a deliciosa salada de batatas - todos pratos típicos. E muito bem servidos, diga-se de passagem.

Após o jantar, uma taça de vinho na sorveteria Zanoni e Zanoni caiu muito bem. O sorvete é delicioso e bem barato. Para quem não quer gastar muito dinheiro, essa é a dica. Em vez de comer a torta de chocolate do hotel Saccher, se delicie com o sorvete! Ele custa 1,80 contra os 6,30 da torta. Nem preciso dizer que fiquei com o sorvete, né?
A cafeteria Aida tem doces ótimos e preços bons. Uma torta chamada Vanille-Himbe, uma Apfelstrudel e um café com leite custaram 8,90. Bom, né?

O centro antigo de Viena possui uma variedade imensa de coisas a fazer. como eu iria ficar pouco tempo, tive de escolher algumas atrações. Em viagens Low Cost como as que costumo planejar, saio em busca das coisas que gosto de fazer e que sejam baratas ou de graça. hahahaha.

O Kuntskoris Museum é belíssimo e tem obras de Vermeer, Brueghel, Velásquez e Rafael, além de uma extensa coleção de objetos egípcios. O Albertina é uma galeria que também merece ser visitada. Eu não entrei, mas dizem que é muito legal dar uma olhada na sala onde os meninos cantores de Viena se apresentam. É bem ao lado da Escola Espanhola de Equitação, cujas disputadas apresentações são encantadoras. Haveria um espetáculo homenageando Mozart, com a orquestra sinfônica, mas infelizmente seria no dia que parti para Bratislava... Pena.

Os palácios Schonbrunn e Hofburg com amplos e bem decorados salões precisam necessariamente ser vistos . Nem preciso mencionar que  catedral de Santo Estevão. Linda no seu estilo gótico, é o orgulho local.

Em seu entorno e ao longo do boulevar Kärntner Strasse, encontram-se dezenas de opções de compras, restaurantes e cafés. Outro destaque da cidade são os parques. Amo parques. Lá, no verão, estão todos bem verdinhos e cheios de flores (e gente deitada e espalhada pelo gramado). Abaixo imagens do Sigmund Freud Park.



A foto abaixo foi tirada no Volksgarten. Ele é considerado um dos jardins mais encantadores do mundo. Ele fica bem próximo ao Parlamento e é lindo mesmo. O melhor? A entrada é gratuita.

Aí embaixo, o registro de uma manifestação pacífica para libertar um líder do turcomenistão acontecia em frente à Catedral de São Estevão. Não me perguntem quem era o cara.

Viena é uma cidade altamente ciclável, mas não foi desta vez que eu aproveitei a cidade sobre duas rodas. fiz tudo, tudo mesmo, a pé.
Mas se você não é adepto do meu tipo de transporte, pode se locomover nos transportes coletivos.
A maior parte das atrações está localizada dentro ou no entorno do "Ring", o Hofburg e a Catedral de Santo Estevão, por exemplo. Portanto, pegue a condução para lá (se você não estiver hospedado na região, claro) e aí o gostoso é caminhar pelas ruas limpas e organizadas da cidade. Não usei, mas os transportes públicos da capital contam com metrô, bondes, ônibus e trens. Os tíquetes podem ser de uma viagem (€ 2), um dia (€ 6,70), 48 horas (€ 11,70), 72 horas (€ 14,50) e uma semana (€ 15), válidos de segunda a domingo). Podem ser comprados em tabacarias ou nas máquinas automáticas disponíveis nas estações. Valide os tíquetes assim que fizer o embarque pela primeira vez.

Uma alternativa interessante é o Vienna Card, que lhe dá transporte ilimitado por 72 horas e descontos em 210 atrações, cafés e restaurantes por € 19,90. Ele está a venda em hotéis e em alguns postos especiais.
Este é o lindo relógio do StadtPark. 




Votiva Church
O maravilhoso Sissi Museun

 



São Estevão

Catedral de São Estevão

Em Viena a gente encontrou até um coelho cor de rosa kkkk

Conseegue-se fazer tudo com a língua inglesa

Abóboda da Votiva Church

<--- 18="" a="" as="" atual="" austro-h="" bulo.="" carruagens="" com="" culo="" de="" deixar="" diante="" do="" e="" est="" eu="" font="" governo="" hofburg="" imp="" ngaro="" no="" odor="" para="" rea="" rio="" s="" se="" sede="" sentir="" turistada="">


Meus dois dias e meio não foram suficientes para conhecer tudo o que eu queria, mas já deu para curtir a cidade que respira arte, música, vida, passado e presente!

DICAS

Eu sempre fico de olho em passagens aéreas. Gosto de entrar vez ou outras nos sites das companhias aéreas, pois sei que olhando sempre fica mais fácil encontrar bons preços. Tenha em mente as datas que você quer viajar, onde você quer ir, trace o seu itinerário e mãos à obra. A Air France, por exemplo, te dá opção de desmembrar a passagem. você vai até Paris, de lá  para outro destino, de avião ou carro. No meu caso, fiz assim, comprei a passagem da AF Brasília-Viena (conexão em Paris). (Em Viena aluguei um carro para conhecer Rep. Tcheca, Eslováquia, Hungria,  Croácia e Eslovênia).

Devolvi o carro em Viena. tomei o avião para Paris - onde eu aluguei outro carro e fui para a Borgonha e depois Normandia ver o Tour de France.
Da normandia voltei a Paris para pegar o voo de volta para Brasília. (infelizmente, kkk)

Para alugar o carro - que eu acho a melhor solução para se locomover na hora e dia que você quiser e conhecer locais que você não veria de outra forma - basta a carteira de motorista brasileira. Se você for fazer isso, os melhores preços são da Europcar. Se estiver com tempo disponível, poderá se beneficiar com as empresas locais. Costumam ser mais em conta.



COMIDA
Viena é a capital de um antigo império e tem uma variedade enorme de bons restaurantes. De kebabs árabes a sushis japoneses, grelhados argentinos a fast foods americanos. A comida não é cara e é bem servida. Eu gostei muito do Schnitzel e do Goulash.
Eu quase nunca como nos locais turísticos. São bem mais caros!!! Quase todos os restaurantes possuem cardápios na porta, assim você pode buscar algum no boulevar Kärntner Strasse, que esteja no seu orçamento. A maioria oferece menus em alemão e inglês e boa parte dos atendentes conseguem atender em mais de um idioma. Eu só comi fora desse circuito. Descendo algumas ruas em direção à Ring, os preços já caem.Basta ter saco para procurar. Minha dica: Se você vir que há mais nativos que turistas, pode entrar! Eu curti muito de um restaurante chamado Gasthaus - Schone Perle Grosse, onde por 27,90 almocei muito bem. O endereço é PFarrgasse, 2, 1020.
E do mais ou menos homônimo Gasthaus Zu den 3 Hacken, que fica na Singerstrase, 28. Um jantar com 6 taças de vinho, FiakerGulash (um picadinho de carne com ovo frito, salsicha e um bolinho de batata) Saibling (um peixe tipo salmão), schafgupferl (um queijo bem bom), Geback (pães) e água com gás saiu por 77, 40 Euros. (Os pratos eram muito bem servidos) =P

HOSPEDAGEM

É a coisa mais cara de Viena, mas a cidade possui vasta gama de hotéis -- de simples albergues a hotéis de impecável estrutura e serviço. Para a maioria dos turistas a localização mais conveniente é nas imediações do "Ring", próximo às principais atrações, serviços (bancos, farmácia, supermercados, locadoras de automóveis, etc.), restaurantes e bares. Só que nesta área, os preços podem ser bem altos. Se você não tem problemas em ficar um pouco mais distante do burburinho e a malha de transportes públicos funciona muito bem, considere se hospedar em bairros um pouco mais periféricos. A recompensa virá em forma de quartos mais espaçosos e com um preço bem mais agradável, pois a hospedagem em Viena é bem cara... =/
Ainda não usei o sistema Air B&B, não me sinto confortável, por isso, minha estratégia é alugar, bem antes da data de viajar, pelo Booking.com. Olho os hotéis e vejo as avaliações dos outros hóspedes. Costuma dar super certo.

Gostou das dicas? Quer saber algo? Comenta aqui!

A viagem mais recente

Intensidade