domingo, 27 de março de 2016

Réquiem de uma saudade

Amo quando tua voz se cala,
Me lê em silêncio,
Dialoga sem nenhuma sílaba trovada.

Amo quando seus dedos me tocam
Pela tela verde sem vida,
Que te mostra minha energia,
Meu pulsar e meu desejo louco.

Amo quando sei que, na tranquilidade dos teus momentos, procuras por mim.
Quieto, buscas minhas mãos, 
Desejas minha língua, implora pelo meu tesão e sonha com meus orgasmos escorrendo pela tua boca.

Amo.
Amo quando penso no teu vigor,
Nos teus olhos desejosos,
Tua procura insana pelo meu prazer,
Na loucura da união entre o teu delírio e o meu...

Quero.
Teus sonhos lotados de mim,
Tuas noites cheias de insônia repletas do meu sorriso,
Teu membro rijo sempre que pronunciares meu nome,
Teus joelhos sobre a cama
Clamando perdão pela minha ausência.

Quero.
Apenas quero.
Ver o sorriso lindo brotar e colorir o teu rosto
Quando o teu clímax se juntar ao meu.

A viagem mais recente

Plágio