quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Noite fria

Faz frio nesta noite escura,
Lá fora, as estrelas se escondem sem
O brilho dos teus olhos.
Aqui dentro, canecas fumegantes e
Lágrimas soltas pelo rosto,
Aquecem as palavras mudas.

Abro e fecho pestanas e persianas.
Os tons de cinza e azul lembram 
Nossos dias de chuva e sol.

Entre meus dedos, meu lenço.
Um curto sorriso se derrama ao ouvir suas canções favoritas.
Lembranças da felicidade que sentíamos 
Ao partilhar o entardecer alaranjado.

A noite está vazia sem teus risos.
Minhas quimeras dançam embriagadas 
Procurando o teu corpo macio - 
Refúgio que me abrigava do frio.

Há no silêncio do quarto, uma música
Que sussurra, maviosa, o teu nome.
No leito vazio, enquanto o devaneio e a lascívia dormem tristes,
Meu corpo, exausto da tua ausência, chora.
...

A viagem mais recente

algumas notas