Páginas

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Amanhecer

Acordei desejando o que eu pensava ser perfeito com você.

Procurei o teu perfume no meu lençol,
Nas minhas mãos e narinas.
Encontrei apenas o seu falso sorriso estampado nas fotos ainda não jogadas fora.

Sussurrei as mesmas palavras que floreavam o nosso vocabulário íntimo.
Virei-me na cama em busca do teu abraço,
Relembrei os poucos minutos dos teus beijos quentes que me pareciam longos verões e
Encontrei apenas perda de tempo e incompreensão.

Dos meus sonhos, que vertiam desejos tão sinceros e quereres intensos,
Explodiam um louco pulsar de sangue nas minhas veias.
Havia apenas delírios, nada de pausas ou silêncios
Como estes que hoje mumificam o meu ser...

Minha boca calou o gemido,
A voz disfarçou a saudade.
Meus dentes cerraram as palavras e
Minha alma lançou aos ares o amor.

Quando a nova noite chegou,
Trazendo com ela toda a tristeza que seria minha
A lua me apresentou seu encanto.
Dissipando a lembrança desse sentimento que se esvaiu como estrelas ao amanhecer.

Ao amanhecer um outro dia,
Abriu-se no meu peito um novo viver,
Uma nova esperança,
De viver um verdadeiro e amoroso prazer.