Páginas

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Pra sempre

Tenho asas, mas não sei mais voar.
Tenho pernas e não sei mais caminhar.
Não sei falar, nem profetizar.
Sei apenas ouvir este coração cansado, de batidas lentas e dias contados.

Já não me movo com tanta graça,
Pouso no silêncio de horas perdidas,
Com sonhos esfacelados
E planos inacabados.

As lágrimas já não correm nem escorrem,
Os olhos guardam tristezas profundas,
A alma perde o calor que resta
Neste corpo miserável.

Minhas letras tortas escrevem
Trechos de vida.
Versos mal-feitos e partidos.
Linha após linha o meu canto choroso se despede sem acreditar no "pra sempre"...

domingo, 7 de junho de 2015

Em mim, você...

Meus seios ainda guardam a umidade dos teus lábios,
O meu corpo sente o calor das tuas mãos,
Minha boca preserva o gosto dos teus beijos;
A minha língua ainda sente o teu doce sabor.

Ainda ouço tua forte respiração,
Escuto teus gemidos,
Afogo tuas palavras,
Roubo tua respiração.

Ao amanhecer ouço teus passos,
Sinto teu abraço,
Escuto tua voz me dizendo adeus,
Revivo nossa cumplicidade.

O perfume do jantar sobrevive na lembrança,
Ao cair da noite, aguardo a tua chegada,
Rememoro os sonhos construídos,
As coisas compradas, feitas e desfeitas.

Ainda há um pouco de você em tudo o que sou,
Nos meus dias,
Nas minhas noites,
Nas minhas taças,
No meu caminhar,
Nas teclas do meu diário,
No meu desejo de te amar...