quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Destino

Eu não contava com teus olhos mergulhados na minha taça,
Nem com o teu corpo encurralando meus desejos.
Me fazendo desejar só a ti,
Me derretendo por inteira com um toque inocente.

Eu não sonhava outra vida,
Senão o miserável passar de horas.
O tic-tac angustiante do relógio
Me diz que acordar significa dor,
E também o despertar dos meus sonhos.

Nunca pensei em voltar a me viver,
Em sorver o doce mel do vinho que desce pela minha garganta
E alenta os meus dias.
Acompanhas minhas noites e
Me protege das armadilhas que construo com minhas tristes poesias.

Eu não contava com a força do teu riso,
Nem com a perfeita sintonia dos nossos corpos,
Nem com os odores e os sabores.
Muito menos com a euforia do nosso gozo.

EU não acreditava em mentiras sinceras,
Até que os nossos abraços de boa noite cessaram.
E nossos beijos se transformaram em recordações.

Eu não acreditava em destino...

.... Até te encontrar.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Suspiro


Então, com aquele pequeno suspiro, toda a minha vida se esvaiu.
As lágrimas que lavavam o meu rosto, de repente se tornaram chamas,
Queimando meus olhos, salgando meus lábios, partindo meu corpo.

Aquele pequeno suspiro tirou de mim o sono e a alma.
Matou meu sorriso, decepou meus sonhos,
Varreu minhas ilusões e me devolveu à escuridão.

As poucas palavras, entremeadas, pelo suspiro,
Devolveram a minha solidão rouca e profunda.
Desmantelou meus mais lindos pensamentos
E espantou a breve alegria que insistia em aparecer.

Aquelas palavras, as mais nobres e a mais sujas,
Definharam os meus discursos,
Entorpeceram minha língua,
Amaldiçoaram o futuro que jurava promissor.

Aquele suspiro...
A morte.
O retorno do demônio
A frieza dos meus dias.

Uma imensa saudade...

A viagem mais recente

Plágio