Páginas

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Vi Ver...

Vibram tambores.

Dedilho cordas choronas
Que destilam canções desconhecidas,
Remetem a tempos remotos,
Destilam venenos antigos.

Clamo por dias novos,
Por sóis nunca dantes sentidos
Na pele e nos olhos.

Claream idéias,
Faço votos,
Acordo em prantos.

Vivo uma vida que não é minha
Que não vejo,
Que não me faz sorrir,
Que me pede um tempo.

Todo o tempo.