Páginas

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

No dia

Em que eu morrer, beba a minha alegria.
Não chores, não lamentes.
Abra uma garrafa de vinho e aprecie o espoucar da rolha.
O som surdo anuncia o bom gosto,
O sabor,
O odor.

No dia da minha morte,
Beba por meus dias e horas.
Brinde minhas palavras,
Viva por mim os dias que não mais viverei.

No dia da minha morte,
Não culpes a Deus,
Nem digas "ela era tão jovem".
Celebre,
Sorria,
Bata palmas, faça barulho.

No dia da minha morte
Tome um porre de vigor, pois
Deixarei no mundo apenas o que fui:
Um ser vivendo o ciclo da Vida.