terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Verdade

É bem verdade, meu Bem,
Que as luzes se tornam amarelas sem teu olhar,
As ruas da cidade estreitas demais para minha embriguês,
E meus tornozelos fracos demais sem teus caminhos.

É bem verdade, meu Bem,
Que as noites são escuras sem tuas gargalhadas,
Que meu corpo é triste sem teus dedos,
E eu sou nada, meu Bem, sem teu tudo que me alegra.

A viagem mais recente

algumas notas