quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Ruínas

Ao amor, os ombros...
Soberba vadia dessa tu'Alma vazia.
Estremecem terras e mares,
Sob os olhares mortos e detidos no nada.

De outrora, escombros.
Promessas não cumpridas,
Vendaval que interrompeu o carnaval,
Sonhos perdidos no meio do caminho...

De nós dois, ruínas...
Tempo esfacelado pelo egoísmo e
Pela falta de vontade de fazer o tempo não parar...

A viagem mais recente

O tempo....