quarta-feira, 16 de maio de 2007

Distantes caminhos próximos


Ouço tua voz ali, tão próxima dos meus ouvidos...
Entendo as palavras e canções que escalam as paredes do meu coração.
Quase sinto teu resfolegar,
Que finge não querer-me, me engana dizendo não saber.

Ouço tua voz e sobram recordações,
De um tempo que não foi,
Do teu cheiro no meu pescoço,
Da noite de amor nunca vivida...

Ouço tua voz tão próxima de mim,
E vejo teu corpo tão distante.
Releio as letras que ficaram congeladas no tempo,
Te gosto, meu bem, te gosto...

Portanto, não te vás nunca mais

A viagem mais recente

algumas notas